A respeito da manifestação em São Paulo

14 Jun

Ao nos reunirmos em solidariedade para expressar um sentimento de injustiça massiva, não devemos perder de vista aquilo que nos reuniu. Esta é a máxima que linka os movimentos populares durante os séculos.

No entanto, quando os movimentos populares vão para a rua são sempre tido como “pequenos”, “políticos”, “vândalos”, “abusivos”. E repressão massiva, velha forma do poder mofado e que cheira putrefato  diante  do suor sagrado dos tão jovens que tomam as ruas.

Escrevo para que todas as pessoas que se sentem atingidas pelas forças que criminalizam os movimentos sociais em São paulo, nestes últimos anos:  saibam que somos suas aliadas. Há tempos são os jovens que não apenas adoecem, mas que levam chumbo, balas de borracha, bombas de gás lacrimogênio, de efeito (i)moral.

Se o valor da passagem pode ou não ser reavaliado, que as autoridades se abrissem para o diálogo pacífico: enviar tropas contra os jovens e reprime manifestações, inibe o Estado de Direito, e torna a desobediência civil um atalho para estes que gritam ser ouvidos.

Estou chocada com as prisões em massa: só na ditadura militar se soube de algo semelhante: claro, são a ordem imposta pelo governo tucano. As forças conservadoras de SP  perpetuaram a desigualdade e a discriminação  baseados em idade, cor da pele, sexo, identidade de gênero, classe, orientação sexual e em deficiência. Os jovens e são criminalizados, como são criminalizados TODOS os movimentos sociais. Cuidado. Isso é fascismo policial. Abram-se as conversas, sabe-se claramente que a policiais infiltrados na multidão. A imprensa afirmou isto o dia todo. Porque estão lá?

Manter uma manifestação com milhares de pessoas pacífica não é possível com repressão e violência policial severa. Unidos como povo, reconhecemos a realidade: que o futuro da raça humana exige a cooperação de seus membros; que nosso sistema deve proteger nossos direitos e que, ante a violência desse sistema, resta aos indivíduos a proteção de seus próprios direitos e de seus semelhantes; que um governo democrático deriva seu justo poder do povo,  e que nenhuma democracia real é atingível quando o processo é determinado pelo poder econômico, e não pelo diálogo constante com as forças populares. Não coloquem a força na frente da  justiça, e a opressão antes da igualdade, eles   pacificamente,  como é de seu direito estão gritando.

Se calarem, talvez as pedras comecem a  gritar.

Troféu como assim para a PM de SP!  TROFEUREI

Anúncios

Uma resposta to “A respeito da manifestação em São Paulo”

  1. Adriana 14 de Junho de 2013 às 0:43 #

    NÃO à criminalização dos movimentos sociais

    Gostar

Os comentários estão fechados.