Archive | Verde Mundo RSS feed for this section

Para Oscar Romero, com amor.

9 Fev

 

Porquanto os filhos participam da mesma natureza, da mesma carne e do sangue, também ele participou, a fim de destruir pela morte aquele que tinha o império da morte, isto é, o demônio, e libertar aqueles que, pelo medo da morte, estavam toda a vida sujeitos a uma verdadeira escravidão. Hebreus 2. 14 e 15

Ao escrever aos Hebreus, o autor revela o sentido máximo da Paixão de Cristo: destruir pela morte aquele que tinha o império da morte, a fim de libertar aqueles que, pelo medo da morte, estavam toda a vida sujeitos a uma verdadeira escravidão. Como cristã, sempre li este texto com esperança, como cientista social, sempre vi neste texto um desafio.

Uma vez, meu pai, em 2013, pediu-me que eu escrevesse algo sobre esse texto. Eu comecei algo na época, que expando aqui. Hoje algo me motiva isso. O papa Francisco acaba de anunciar a beatificação de Oscar Romero.  Sem dúvida, sempre foi uma das trajetórias que mais admirei em minha vida, e ver esta resolução, depois de vinte anos de lutas e discussões no Vaticano demonstram que a luta recompensa, sempre. Um dia. De alguma forma. No caso, na forma de esperança, de sangue mártir, irrigando a Igreja de mais e mais luta.

Voltando ao texto de Hebreus,  texto em que se revelam elementos cruciais do Mistério Pascal: o Mistério Pascal é a grande vitória sobre a morte, celebramos hoje o Mistério Pascal nesta beatificação.

Oscar Romero vive. Bendito seja.

O autor de Hebreus fala dos filhos que participam da mesma carne e do sangue, da mesma natureza, da mesma humanidade. Eis o Mistério Pascal, somos todos irmãos, e nos mais frágeis , a nossa humanidade encontra seu lado mais delicado. Garantir vida, cidadania a cada pessoa humana é celebrar uma Eucaristia verdadeira, plena.

A Ressurreição aqui é tanto  sobre a morte física/biológica (portanto, inevitável), pois a Ressurreição é a garantia cristã da vitória da esperança, quanto sobre a morte espiritual, como negação da vida eterna, como fechamento para a fraternidade e a divindade (portanto, resultado de uma opção). A opressão dos pobres é uma morte em vida, a sujeição à verdadeira escravidão é um morrer cotidiano, pois impede uma vida plena, feliz, realizada. Enquanto os poucos senhores deste mundo gozam de tudo que o mundo pode oferecer, os pobres, aos bilhões, estão condenados na Terra a uma morte em vida, à condições de trabalho precário, à situação de refugiados, à pobreza e a miséria. Oscar Romero, um dos profetas latinoamericanos dos pobres ao ser beatificado, enche-nos de esperança para a vocação de lutar.

Como renovar neste dia, nossa compreensão, então, o texto do autor de Hebreus? Em primeiro lugar, implica em entender que o Mistério Pascal significa a possibilidade de destruição do império da morte, pela destruição do demônio, e do medo da morte. A filósofa da educação Sandra Mara Corazza recorda que “é fácil dizer que o Inferno “é tão velho quanto o mundo” (2002, p. 15). Ela aponta que o Inferno e o Diabo “pertencem a toda a humanidade”(p. 15), e que durante a construção do nosso imaginário coletivo sempre foram ‘usados como forma matricial de qualquer ideologia e movimento de fetichização” (p.15). Para tanto, foram construídos como “completamente indestrutíveis” e como aqueles que se refazem continuadamente, “em torno das experiências do mal, da falta moral, do castigo e do sofrimento” (p.15). A autora também ressalta que a origem etmológica da palavra demônio é grega, podendo ser transliterada como “daimonion” e que seu significado pode ser sintetizado como “o que distribui”, “que divide”, “o provedor que reparte” ao contrário de simbólico que sintetiza, reúne, unifica (p. 17).

Ou ainda Ef 1,9, que “Ele nos manifestou o mistério de sua vontade, conforme decisão prévia, para realizá-lo na plenitude dos tempos – o desígnio de em Cristo reunir todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra”.

 

Corazza, ainda lembra: Satã é deste mundo, de nosso mundo. Não é alteridade radical, não é o completamente outro. Não se defronta ao humano, como o que é alheio à sua natureza, como o que o nega e anula. Mas, vive entre nós, dentro de nós, todo o tempo. Reina, como Príncipe, aqui, neste mundo onde vivemos. Seja como ameaça, limite, ou ensinamento, Satã está instalado na vida cotidiana. Está aqui, no coração das coisas e dos humanos. Ele dissolve as fronteiras da verdade e da quimera, e guarda a memória das grandes ameaças malignas (p. 2).

 

Em segundo lugar, é preciso ter em mente, que destruir o que reparte e o que divide é romper com a própria estrutura do sistema capitalista e com o sistema de classes. É desacreditar de todo e qualquer sistema patrimonialista estamental, pois como escreveu Deleuze, ateu,  “não se deve perguntar qual é o regime mais duro, ou o mais tolerável, pois é em cada um deles que se enfrentam as liberalizações e as sujeições” (1998, p. 220).

O Mistério Pascoal não será pleno enquanto a Eucaristia não se realizar plenamente, numa sociedade sem divisões, e na qual homens, mulheres, pessoas com e sem deficiência, de qualquer orientação sexual, de qualquer origem social, étnica, se vejam absolutamente como iguais.

Finalmente, a Paixão de Cristo é libertadora, essencialmente libertadora: remove os grilhões da opressão, e deve servir para encorajar a luta contra todo o medo e contra toda sujeição econômica, política, social, cultural, deve gerar e gerir uma autonomia expressiva em todos os indivíduos. Manifestando essa natureza libertadora, a Paixão de Cristo deve construir o paradigma libertador, articulável por meio de uma libertação profunda, simbólica, integral, pluralista, capaz de reler a experiência cristã a partir da aceitação sincera da pluralidade das vias religiosas diversas, inter-religiosas, multi-religiosas, ecológicas, feminista, multi-regional e que dialogue com contextos universais e regionais, com a mesma delicadeza e compromisso.

Corazza, Sandra Mara. (2002). Para uma filosofia do Inferno na Educação, Nietzche, Deleuse e outros malditos afins. Belo Horizonte: Autêntica editora.

DELEUZE, Gilles, (1998). Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34.

 

Bjs coloridos e libertadores em todos.

 

 

Em nós estão todas as memórias do universo

18 Ago

Lindo, Grande Boff.

Leonardo Boff

O ser humano é o último ser de grande porte a entrar no processo da evolução por nós conhecido. Como não existe somente matéria e energia, mas também informação, esta vem estocada em forma de memória, em todos os seres e em nós ao longo de todas as fases do processo cosmogênico. Em nossa memória, reboam as últimas reminiscências do big bang que deu origem ao nosso cosmos.

Nos arquivos de nossa memória são guardadas as vibrações energéticas oriundas das inimagináveis explosões das grandes estrelas vermelhas das quais vieram as supernovas e os conglomerados de galáxias, cada qual com suas bilhões de estrelas e planetas e asteroides. Nela se encontram ainda ressonâncias do calor gerado pela destruição de galáxias umas devorando outras, do fogo originário das estrelas e dos planetas ao seu redor, da incandescência da Terra, do fragor dos líquidos que caíram por 100 milhões de anos por sobre…

View original post mais 731 palavras

Cuidar da Mãe Terra e amar todos os seres

31 Mar

AMAR SEMPRE. MUITO>

Leonardo Boff

O amor é a força maior existente no universo, nos seres vivos e nos humanos. Porque o amor é uma força de atração, de união e de transformação. Já o antigo mito grego o formulava com elegância: “Eros, o deus do amor, ergueu-se para criar a Terra. Antes, tudo era silêncio, desprovido e imóvel. Agora tudo é vida, alegria, movimento”. O amor é a expressão mais alta da vida que sempre irradia e pede cuidado, porque sem cuidado ela definha, adoece e morre.

Humberto Maturana, chileno, um dos expoentas maiores da biologia contemporânea, mostrou em seus estudos sobre a autopoiesis, vale dizer, sobre a auto-orgnização da matéria da qual resulta a vida, como o amor surge de dentro do processo evolucionário. Na natureza, afirma Maturana, se verificam dois tipos de conexões (ele chama de acoplamentos) dos seres com o meio e entre si: uma necessária, ligado à própria subsistência e…

View original post mais 838 palavras

Desafio urgente: a responsabilidade socio-ambiental das empresas

1 Set

Adorei.

Leonardo Boff

Já se deixou para trás o economicismo do Nobel, Milton Fridman que no Time de setembro de 1970 dizia:” a responsabilidade social da empresa consiste em maximalizar os ganhos do acionistas”. Mais realista é Noam Chomsky: “As empresas é o que há de mas próximo das instituições totalitárias. Elas não têm que prestar esclarecimento ao público ou à sociedade. Agem como predadoras, tendo como presas as outras empresas. Para se defender, as populações dispõem  apenas de um intrumento: o Estado. Mas há no entanto uma diferença que não se pode negligenciar: enquanto, por exemplo, a General Electric, não deve satisfação a ninguém, o Estado deve regularmente se explicar à população”(em Le Monde Diplomatique Brasil, n. 1,  agosto 2007, p. 6).

Já há décadas que as empresas se deram conta de que são parte da sociedade e que carregam a responsabilidade social no sentido de colaborarem para termos uma sociedade melhor.

View original post mais 607 palavras

Scrap grandão para salvar o planeta amado!

11 Jun

Bem, como muita gente sabe estou super dodói, mas com ajuda do super Hugo e do amado marido Marcelo fiz um super mega SCRAP, por uma causa linda: a Cúpula dos Povos: vamos scrapar para salvar o planeta? Vocês topariam um desafio de scrap verde na Rio+20??? Vão comentando que eu vou pensar em algo!!!!! A distância!!!!!!!!!

Olha o que eu fiz! É um pedaçode algo enoooooooooooooooorme!

Leia a carta da terra com seus filhos: http://www.cartadaterra.com.br/ctcriancas.htm!